Mensagens subliminares, o que é? e como funciona!

Posted: 26 de Junho de 2011 in Cultura, Sociedade


Mensagem Subliminar
1.1 – Subliminar
Subliminar é todo o estímulo produzido abaixo do limiar. Ou seja, ela não alcança o nível
limiar de diferenciação. Mensagem ou propaganda subliminar é toda mensagem transmitida
abaixo do nível de percepção, tanto visual (limiar), quanto auditiva (umbral), dos sentidos,
1 Trabalho a ser apresentado na Altercom – Jornada de Inovações Midiáticas e Alternativas Experimentais da Intercom.
2 Jornalista, advogada, administradora de empresas, com curso de especialização em Comunicação Social e Política
(Jornalismo Político), mestra em Administração Rural e Comunicação Rural, professora dos cursos de Administração, com
habilitação em Marketing, e Comunicação Social, com habilitação em Publicidade e Propaganda, orientadora de Projetos
Experimentais, da Escola Superior de Marketing – ESM, do Recife, secretária da Comissão de Ética do Sindicato dos
Jornalistas do Estado de Pernambuco, lucianoya@uol.com.br
3 Bacharela em Comunicação Social, habilitação em Publicidade e Propaganda, cursando especialização em Marketing e
Publicidade, ambos pela ESM, produtora de Televisão do Programa Clube Show na Televisão Clube, Canal 9, do Recife,uteana@gmail.com que causa efeitos na atividade psíquica ou mental.
A mensagem subliminar não é codificada ou decodificada, ou seja, ela não é entendida.
Recebe-se de forma inconsciente ou subconsciente. Ela é dotada da arte de persuasão
inconsciente, ou seja, não se recebe as informações de forma consciente e sim inconsciente, trabalhando assim o subconsciente das pessoas. Recebe-se e não se percebe, faz-se leitura e pode causar influências no humor, no comportamento. Na maioria das vezes não se tem explicação para esta mudança de comportamento.
Muitas mensagens são enviadas de forma mascarada ou camuflada pelo emissor, quando captada em um momento de grande excitação emotiva pelo receptor, que desconhece os códigos expressivos, diante de uma comunicação indireta, assim sendo a pessoa aceita de forma inadvertida. Apesar de não identificar a captação da informação, o subconsciente a recebe e ela é assimilada sem nenhuma barreira consciente. Dessa forma a mensagem subliminar é capaz de influenciar escolhas, atitudes, motivar a tomada de decisões posteriores.
1.2 – Surgimento Ela surgiu, em setembro de 1957, com o taquitoscópio (um dispositivo capaz de projetar imagens numa tela muito rapidamente), no qual se inserem imagens entre os frames de um filme em fração de segundos (0.00033s). O idealizador da nova técnica de vendas chamada “projeção subliminar” foi o especialista em marketing James Vicary.
A projeção das imagens é tão rápida que os olhos não são capazes de captá-las de forma consciente, atingindo assim o subconsciente, acreditava ele. Para provar a eficiência do método Vicary fez um experimento num cinema em New Jersey, com a inserção das frases
“Drink Coke” (beba Coca-Cola) e “Eat Popcorn” (coma pipoca) durante a transmissão do
filme. O resultado foi satisfatório com o aumento de 57,7% nas vendas do refrigerante e 18%
na de pipoca.O case tornou-se público através do jornal Sunday Times, de Londres. Desde então mensagem subliminar tem sido alvo de pesquisadores e ferramenta de comunicação.
Todo e qualquer estímulo é captado pelos diversos canais dos sentidos e vai direto para mente de forma a ser armazenado. Em certo momento, voluntariamente, as informações voltam-se para o consciente de forma a ser elaborada uma resposta para adaptação sadia ou não. Na adaptação não sadia, pode acontecer das informações voltarem para o consciente de forma a mobilizar a ação e reação, sem sequer ser percebida.
Um exemplo muito comum, dado pela professora e psicóloga Kátia Emerenciano, de
aprendizagem é o fenômeno do “já visto”. Esse fenômeno acontece quando se ver algo ao passar por um lugar e as informações não são captadas de forma consciente, não se procura os detalhes. Após algum tempo em uma situação semelhante, a pessoa tem a sensação de já ter
visto determinado objeto, já ter estado em um lugar determinado. Isso ocorre por que há uma soma de informações, as que foram absorvidas anteriormente pela visão de forma inconsciente e as que se estar recebendo do local ou objeto semelhante de forma consciente, explicou a psicóloga.
1.3 – Propaganda
Na maioria dos casos, a propaganda subliminar trabalha com a busca do menor equilíbrio, trabalhando com violência, agressão, batendo de frente com conceitos políticos e filosofia de vida, ou seja, com o desequilíbrio humano.
Hoje o processo de consumo é tido como válvula de escape para busca fantasiada desse equilíbrio. E é justamente o objetivo da mensagem subliminar, todas vezes que as pessoas estiverem “mal com elas mesmas” buscam ocupação, seja ela afetiva, social, ou emotiva, desse espaço de forma momentânea através do consumo.
Esse consumo terá, quanto menos equilibrado, quanto mais o emocional domine, uma maior influência. O dia a dia das pessoas também contribui para esse desequilíbrio, devido à velocidade que as coisas acontecem, não permitindo que as pessoas questionem se há mensagem subliminar aqui ou ali.
A psicóloga Ana Lúcia Rique, em entrevista, afirmou:
“Na realidade convivemos com o que não sabemos, somos mexidos pelo
que não entendemos e respondemos ao que não queremos. E nos
frustramos e queremos mais e quanto mais consumo desordenado, mais
consumo, mais consumo desordenado, mais consumo. E que todo
consumo desordenado ou tido como não equilibrado não bem decidido ele
gera conseqüentemente um novo consumo. E a coisa vai se propagando. E
a maquina sócio-política-econômica mexe com o ser humano e os meios
de comunicação estão empurrando mensagens e estímulos diversos e você
vai na roda viva. E como controlar é complicado”.
A mensagem subliminar pode ser encontrada teoricamente em todo lugar de onde você recebe algum tipo de informação audiovisual, inclusive recintos e paisagens. Nos filmes que utilizam ferramentas como imagens, sons (ou ausência deles), luz e cores para causar alguma emoção nos telespectadores. Essas ferramentas são trabalhadas na edição do filme. No som, por exemplo, é levado em conta aspectos como altura, freqüência e intensidade. Em algumas cenas há o uso do silêncio, o que pode causar expectativa para cena seguinte, ou o silêncio aparente, quando transmitido por uma freqüência muito baixa, abaixo do umbral sensorial. No
cinema, televisão ou nos clipes a luz, assim como o som, é elaborado nos estúdios, nas ilhas de edição, não trazendo as cores naturais da cena.
Nos vídeos games que ao jogar a atenção da visão fica no centro da ação: os lutadores, os carros, motos, etc. e todo o cenário são captados pela visão periférica, que vão para o subconsciente. Os cenários contêm signos ou simbologias, que vão para o subconsciente. Apelos eróticos estão em alguns desenhos animados, histórias em quadrinhos, peças publicitárias, entre outros. Mensagens subliminares são passadas em imagens, sons, cheiros, etc.
No Brasil o uso de propaganda subliminar ainda não é totalmente proibido, mas também não é admitido. O órgão responsável pela regulamentação do uso dessa técnica é o Conselho
Nacional de Auto-Regulamentação Publicitária (Conar), uma organização não-governamental formada pelos próprios profissionais da área de propaganda.
No site da ONG lê-se:
“Entendemos que o objetivo maior da utilização das mensagens é manipular as mentes das pessoas”. No caso de comprovado o uso da mensagem subliminar, ou seja, no caso da intenção de manipular, recorre-se ao Código de Ética dos Publicitários, que não tem qualquer referência à propaganda subliminar. No caso em questão recorre-se ao artigo 20 do código (o merchandising subliminar é antiético, pois é ostensivo e dissimulado), que diz que as informações contidas nas mensagens devem ser ostensivas e assumidas, condenando assim a técnica. Também pode ser aplicado o artigo 36 do Código de Defesa do Consumidor, em que são proibidos anúncios disfarçados, dissimulados. Ele determina: Art. 36. A publicidade deve ser veiculada de tal forma que o consumidor, fácil e imediatamente, a identifique como tal.
Parágrafo único. O fornecedor, na publicidade de seus produtos ou serviços, manterá, em seu poder, para informação dos legítimos interessados, os dados fáticos, técnicos e científicos que dão sustentação à mensagem.
Apesar de ter sido aprovado por unanimidade, em 12 de dezembro de 2001, o Projeto de Lei 5047/2001 que proíbe a propaganda contendo mensagem subliminar, de autoria do deputado João Herrmann Neto, ainda tramita no Congresso Nacional.
Esse Projeto de Lei (PL) modifica a Lei n° 8.078, de 11 de setembro de 1990, que “dispõe sobre a proteção do consumidor e dá outras providências”, proibindo a veiculação de propaganda contendo mensagem subliminar.
Alcança ainda a publicidade e propaganda subliminar; a publicidade subliminar face ao código de proteção e defesa do consumidor e ao código de ética dos publicitários; a responsabilidade civil daqueles que se utilizam à técnica subliminar; a reparação dos danos causados pela utilização da técnica subliminar, a responsabilidade social da publicidade e da propaganda subliminares; o papel do direito na formação de tal consciência.
2 – Cor
2.1 – Sentidos
É através dos cinco sentidos, visão, audição, olfato, paladar e tato, que se capta um número
incrível de informações, tanto do meio externo quanto do meio interno.
Enquanto matéria a cor não existe. Trata-se de uma sensação visual provocada pelos raios
luminosos, graças aos cones e bastonetes. São os efeitos luminosos constituídos por radiações
eletromagnéticas que provocam sensações chamadas de cor ou cores.
2.2 – Classificação
A classificação das cores se dá pelas denominações: cor primária ou geratriz, cor secundária e
cor complementar; com sentido utilitário os profissionais as dividiram em cores quentes e
cores frias.
Cores primárias são as três cores indecomponíveis, vermelha, amarela e azul. Elas dão origem
a todas as outras cores.
Ilustr. 4 – Cores-pigmento opacas primárias: vermelha, amarela e azul.
Cores secundárias são as cores formadas pela mistura de duas das cores primárias de forma
equilibrada.
Ilustr. 5 – O laranja é a soma da vermelha com a amarela. O verde a
soma da amarela com azul, a violeta, a do vermelho com o azul.
Cores complementares são as cores formadas por uma cor secundária e uma primária que não
faz parte da composição da cor secundária.
Ilustr. 6 – Pares complementares: laranja-azul, verde-vermelho e violeta-amarelo
Cor quente designação atribuída às cores onde predominam a cor vermelha e a amarela.
Cor fria em contra partida com as cores quentes é a designação das cores onde predomina o
azul. Diante dessa classificação surgem as escalas de cores quentes e frias, a escala em modo
maior e modo menor.
Ilustr. 7 – Escala de cores quentes e frias
O verde-amarelado que parece frio numa escala de vermelhos e amarelos, em comparação
com vários tons de azul, parecerá quente.
Matiz ou tonalidade cores de base e as cores compostas. Ou seja, comprimento de onda
percebida como vermelha, amarela e azul e combinações dessas cores. Em linguagem comum,
a palavra cor é tida como sinônimo de matiz. Saturação quando cor se encontra na sua força e
pureza máximas, no seu comprimento de onda determinado no espectro eletromagnético, sem
acréscimo da cor branca.
2.3 – Uso
A cor tem papel importante na parte psicológica de cada pessoa. Com seu uso pode-se estimular, acalmar, afirmar, negar, decidir, curar e, no caso da publicidade, vender. No trabalho foi apresentada de que forma as cores estão presentes no dia-a-dia dos indivíduos,
suas influências, sensações, dinamismo, associações, etc.
Existem inúmeras visões relacionadas às preferências que se tem sobre determinadas cores.
No estudo de preferência de cor são levados em consideração aspectos sociológicos,
psicológicos e fisiológicos. Essas considerações são bastante utilizadas nas mais diversas
áreas, principalmente na publicidade e na promoção de vendas.
No quadro são apresentados exemplos de significados conotativos que socialmente foram
inseridos ao longo do tempo nas vidas das pessoas e agem psicologicamente em suas atitudes.
Sensações visuais Objeto Significado
Branca Vestido de noiva Pureza
Preta Noite Negativo
Cinza Manchas imprecisas Tristeza, coisas amorfas
Vermelha Sangue Calor, dinamismo, ação,
excitação
Rosa Enxoval de bebê (menina) Graça, ternura
Azul Enxoval de bebê (menino) Pureza, fé, honradez
As reações e as influências físico-sócio-psíquicas do indivíduo diante da cor respondem por seus vários usos em campos diversos.:
3 – Marca
3.1 – Presença
As marcas estão presentes em tudo. Dentro de casa, na rua, no trabalho, na escola, enfim em todo lugar.Encontra-se marca no sabonete, no shampoo, no roupão utilizado ao sair do banho,
nos sapatos, nos biscoitos do café da manhã, enfim em tudo ou quase tudo.Uma verdadeira
guerra acontece dia a dia para garantir a atenção das pessoas.
Marca é a identificação de um produto, loja, evento, governo, serviço, etc. que recebe um nome, termo, sinal, símbolo, design ou qualquer combinação especifica desses elementos, que pretende identificar seus bens e/ou serviços e diferenciá- los daqueles dos concorrentes. Nome da marca é a parte que pode ser pronunciada ou pronunciável. Marca registrada é o todo ou parte da marca a qual possui proteção legal, pois tem apropriação exclusiva.
3.2 – Elementos
As marcas são formadas por alguns elementos, que são: primários, secundários e acessórios.
Os elementos primários são elementos base para criação dos demais. São eles: o logotipo e o
símbolo. Os logotipos são formados por letras e/ou números que tenham uma legibilidade.
Símbolos são elementos gráficos de fácil síntese que possui rápida identificação ou associação
a algum produto, serviço, instituição, etc. Geralmente não se utiliza o exagero, usa-se um
número pequeno de elementos na formação do símbolo para evitar que dificulte a
memorização.
Os elementos secundários auxiliam na composição dos primários. Tem sua importância como
elemento de informação apresentando um comportamento de acordo com a aplicação que
acompanha.
Eles se classificam em: cores institucionais (combinações de cores usadas na maioria das
vezes nos elementos primários que devidamente padronizados ajudam na conceituação da
marca e identificação da empresa) e alfabeto institucional (família tipográfica utilizada em
todos os textos das aplicações podendo ser ou não diferente daquele usado no alfabeto da
marca, levando em consideração na sua escolha à legibilidade, peso e contraste, adequação ao
conceito da marca e todo sistema de identidade visual).
Os elementos acessórios complementam os outros elementos. Também auxiliam na aplicação
da marca na papelaria institucional, na publicidade, no fardamento, na frota, etc. Eles se
dividem em: grafismos (elementos gráficos que auxiliam na composição e organização do
layout, podem transmitir a idéia de solidez, de velocidade) e mascotes (criados a partir de uma
necessidade de marketing).
4 – Mensagem subliminar através das cores
4.1 – Emissão
Como já foi visto mensagem é todo e qualquer formato de emissão de informação que vai até o ser humano, via os vários canais de comunicação, os sentidos, que o ser humano possui.
Estar-se o tempo todo recebendo mensagens diversas, as quais, dependem do que o
comunicador pretende alcançar e muitas são enviadas subliminarmente. Muitos são os estímulos que competem pela atenção dos seres humanos. Apenas poucos, de forma seletiva, desses fenômenos sensoriais se fazem presentes na atenção. Os outros estímulos formam um
segundo plano.
Na teoria Behaviorista, a motivação tem como essencial o conceito de impulso, alavanca que
leva a ação, atribuível às necessidades primárias. Em que:
“o impulso leva o organismo cegamente à ação” (Braghirolli, Bisi,
Rizzon, Nicoletto, 1990, p. 103).
A teoria cognitiva acredita que os efeitos causados pelos estímulos sobre o comportamento
não têm respostas imediatas. Para o cognitivista o comportamento e seu resultado dependem
tanto de escolhas conscientes, como de acontecimentos que o individuo não tem controle e
atuam sobre ele.
Farina, em seu trabalho (1990), mostra que o azul e o vermelho podem provocar efeitos que se
dão no sistema neuro-vegetativo, ocorrendo abaixo do limiar da consciência. Desta forma as
cores têm efeitos subliminares psicossomáticos.
A tradição ocidental de ignorar o poder das cores e subestimar seu poder subliminar foi
modificada graças a inúmeras pesquisas. Farina (1990) menciona em seu livro que muitas
pesquisas relacionadas às cores mostram que a cor tem significado, mesmo que não seja
consciente, que seja subliminar. Independente da marca, a cor é um elemento que passa
informação. Ela entra como elemento de apoio podendo transmitir o conceito da marca.
A cor tem tal importância que devido a uma estratégia de marketing no Pará, único caso no
mundo, a marca Coca-Cola usa a cor azul. Isso por causa da cultura da cidade de Parintins,
localizada naquele Estado brasileiro, exemplo dado pelo professor Leonardo Araújo da Costa
(Buggy).
Em Parintins existe uma competição, maior que qualquer competição futebolística, que ocorre
no mês de junho, entre dois Bois-bumbás, o Garantido e o Caprichoso, um é azul e o outro é
vermelho respectivamente, sendo a cor característica principal de diferenciação. Devido a
forte disputa entre os dois bois a Coca-Cola para entrar no mercado de Parintins optou pelo
uso do azul. Isso pelo fado de acreditar que mesmo sendo azul seria consumida pelos
torcedores do boi vermelho por causa da sua força enquanto líder mundial de cola e com isso
também inibiria a entrada da Pepsi que é azul no mercado do Pará. Trata-se de algo bastante
subjetivo, já que a mensagem subliminar depende de um determinado contexto e determinada
situação.
4.2 – Técnica
Quando o design começa a trabalhar uma marca não se tem à finalidade, pelo menos
intencional, de fazer uso da técnica subliminar. Há sim a utilização consciente de se colocar
informações da empresa, o conceito, etc. independente de que isso vai chegar no receptor de
forma inconsciente ou consciente.
De acordo com a professora e design Rosângela Vieira a mensagem subliminar pode ser
aplicada, mas:
“depende de quem estar criando, mas o desejo na criação de uma marca é
que ela se mostre ao público, ou seja, que o público, consiga perceber e
consiga criar uma relação da marca com a empresa”.
Assim como as cores, os seres humanos possuem uma freqüência. Enquanto dinâmica,
enquanto fala, audição, tato, enfim sentidos, têm-se uma energia. Essa energia vai coincidir,
combinar com a freqüência das cores utilizadas. Nas propagandas diversas o uso da cor não
pode ser isolado, assim como nas marcas. Quando se trabalha a cor percebe-se então um jogo
harmônico de forma que estimule.Apenas uma cor não gera resposta contínua, tem que haver
uma variabilidade, um contexto.
O próprio ser humano tem uma variação de freqüência e a partir do contexto global que o
influencia, cria formas de respostas.
As mensagens subliminares existem, as influências acontecem e não se tem como controlar,
nem mensurar. Elas podem estar em uma mensagem em que uma pessoa sabe e outra não. No
exemplo apresentado pela psicóloga Ana Lúcia Rique, no qual poucos sabem que o desenho
do Popeye foi criado para que os Estados Unidos vendessem uma safra muito grande de
espinafres, já que em seus episódios ele comia o legume e ficava forte. Constroem-se modelos
mentais que são associados em construções conscientes ou subconscientes. Quando se fala em
pipoca pensa-se logo em refrigerantes, em filme ou cinema.
Trabalhos colocam a cor como símbolo ou ícone, a cor em cada cultura, calorimetria de
embalagens e capa de revista e livros, de marcas, etc.
O presidente da Brandia, em Portugal, Carlos Coelho, acredita que se percebe primeiro a cor
em uma marca e depois seu nome, símbolo e os outros elementos.
A escolha da cor deve ser feita em função do sentimento que se pretende obter perante o
consumidor, ou seja, atributos que são associados pelo público alvo a que se destina a marca.
Algumas empresas e muitos produtos fazem uso de uma cor determinada e tornam-se
conhecidas por este fato.
A paleta cromática, de acordo com Carlos Coelho, pode assumir o papel de alfabeto, em que
as cores têm a função de palavras de um discurso simples ou complexos quanto o discurso que
se deseja transmitir.
4.3 – Contexto
Apesar das associações múltiplas de valores de diversas ordens, positivas ou negativas, serem
generalizadas, as cores podem variar de significado dependendo do contexto cultural,
histórico, etc., afirma o presidente do Grupo Grey (de Portugal), Victor Gandarela Vasques.
Quando o negro para os mediterrâneos é luto, para os chineses é o contrário, luto é o branco,
exemplifica.
Um exemplo conhecido do uso de mensagem subliminar através das cores, acredita-se que a
maioria das pessoas já foi vitima dela, é a marca da Mc Donald´s. Tanto sua marca como o
visual de suas lojas utilizam as cores amarelo- laranja (ela desperta fome e faz adquirir mais
produtos do que o desejado) e a vermelha (ela excita, fazendo com que o cliente engula
rapidamente e saia logo). Desta forma a clientela acaba se sentindo inquieta e com pressa sem
ao menos saber que esta sendo manipulado subliminarmente pelas cores do ambiente.
Marca da McDonald’s
Um exemplo também bastante conhecido é a marca da Coca-Cola que utiliza o preto (do
próprio produto), que sugere abafado, e o vermelho, que representa calor, somados dão a
sensação de sede.

Logotipo da Coca-Cola
A marca do Governo Luís Inácio Lula da Silva tem em seu conceito um país de todos, um país
sem preconceitos, distinção de raças, com igualdade entre todos, um país de miscigenação
racial, de muitas classes sociais, etc.
U M P A I S D E T O D O S
Marca Brasil um país de todos
As cores nesse exemplo exercem o valor de representação, a miscigenação, as várias raças
(negra, branca, amarela, etc.), as várias classes sociais, a diversificação existente no Brasil.
5 – Conclusão
5.1 – Comunicador nato
O homem é, sem duvida, um comunicador nato. Seja nas artes em geral, na sua maneira de
vestir, em seus gestos, ele sempre está comunicando algo. Na publicidade não seria diferente.
Apesar de não existir enquanto matéria, a cor é de fundamental importância no sucesso de
uma campanha. Assim como a publicidade, a marca vai até o individuo através de uma
mensagem ou várias mensagens que o incita a uma ação. Sendo a cor uma das ferramentas
para que isso aconteça.
Partindo do pressuposto que mensagem subliminar também pode ser informações que uma
pessoa sabe e a outra não, de acordo com a psicóloga Ana Lúcia Rique, confirmando assim a
hipótese que as cores são realmente usadas como mensagens subliminares pelos profissionais
da área de publicidade, incluindo a criação de marca.
Já que a cor é usada após um estudo que antecede o desenvolvimento de peças, marcas, enfim,
campanhas publicitárias, ela é escolhida de forma pertinente e transmite informações que
cercam o cliente, ratificando assim também a segunda hipótese, que há um estudo que
antecede o uso da cor.
O uso da mensagem subliminar através das cores na criação de marcas vai depender de um
contexto e principalmente do profissional que a desenvolve. A cor utilizada sem estar
introduzida em um conjunto não produz respostas continuas, por si só, não lança mensagem
subliminar.
O profissional que desenvolve uma marca sem estudos prévios a respeito do cliente, do
público que se deseja atingir, de cores que podem ser relacionadas ao produto/serviço, fará
uma marca que não transmite nenhuma informação.
5.2 – Ox Vida
Ao criar a marca Ox Vida (fig. 01) para o trabalho de faculdade de um colega, a pesquisadora
Ute Ana fez um prévio estudo do briefing. Por se tratar de uma marca relacionada à
preservação da vegetação amazônica foi utilizada a cor verde em vários tons, pelo fato desta
cor estar relacionada à própria cor das plantas.
Ainda fez uso de um símbolo figurativo em forma de um broto, simbolizando o inicio de vida,
da planta que origina o oxigênio necessário para a sobrevivência dos homens, portanto, usou a
mensagem subliminar através das cores, isso dentro do contexto que envolve o símbolo, a
tipografia e sua informação passada pela frase.
fig. 01 – Marca desenvolvida para o trabalho de Luciano Paulo e Pablo Medeiros 4
5.3 – Lisbela Bolsas
Outro exemplo de trabalho feito pela pesquisadora Ute Ana, usando a cor como informação,
foi o da marca Lisbela Bolsas (fig. 02). O azul-pastel deu a marca um tom singelo, delicado,
assim como a tipografia do L modificado passa a delicadeza e leveza que estes junto ao
branco permitem a criação de uma marca sofisticada, feminina. O ideograma usado na marca
é o da flor-de-lis. Símbolo utilizado pela nobreza da França em séculos passados, significa
soberania, poder, assim como pureza de corpo e alma.
4 O trabalho foi feito para obtenção de nota na disciplina Projeto Gráfico, ministrada pelo professor Paulo Diniz, na Faculdade
Maurício de Nassau, no Recife.
Marca de bolsas artesanais
Nesse caso a cor junto ao contexto que cerca a marca transmitiu o conceito de sofisticação e
feminilidade. Foi utilizado como logotipo o nome da filha da pesquisadora (Lis).
Os exemplos apresentados possuem mensagens subliminares devido ao fato de que houve um
estudo de escolha das cores, elas estavam inseridas em um contexto de formas e significados.
Apesar da mensagem subliminar ser uma técnica que favorece a publicidade, na grande maioria
dos casos obtêm-se respostas positivas para os anunciantes, ela é usada de forma diga-se
antiética. Principalmente quando usada em crianças para serem adultos desequilibrados, isso
em prol do “capitalismo selvagem”.
5.4 – Político artificial
Um exemplo de mensagem subliminar através das cores usada de forma inteligente sem
pretensões de desequilibrar, acredita-se, ninguém, fo i a capa da revista Veja, de 31 de agosto
de 2005, com o tema Político Artificial.

Capa de veja Embalagem antiga do Omo Multiação
É visível a analogia da capa com a embalagem. A relação é feita com sabão em pó Omo
Multiação, produto de grande capacidade de limpeza e bastante conhecido em seu segmento.
A mensagem intrínseca na capa da revista é a necessidade de “limpeza” no quadro político
brasileiro, já que este passa por crises de corrupção e incredibilidade.
O trabalho não está concluído, a pesquisa continua a ser feita5, novos livros serão
consultados, mais depoimentos serão tomados, tudo para mostrar, exemplificar, ratificar e
confirmar que a mensagem subliminar através das cores é usada, interferindo na criação das
marcas.

PS: é um assunto ainda algo controverso existe também alguma desinformação e descridibilização das técnicas subliminares tão massivamente usadas hoje de forma imperceptivel pelos midea industria cinematográfica a disney etc mas é um facto inegável que somos seres enfluenciáveis por tudo o que nos rodeia e que os nossos sentidos captam de forma inconsciente.
As mensagens Subliminares são uma Realidade inevitável presente na sociedade comtemporânea em que a imagem tem um papel preponderante no incentivo ao consumo, á imagem de marca, ao status  desde a publicidade enganosa arquitectada por uma grande empresa ao simples fato de cashmire e sapato verniz num estilo impecável que esconde a pessoa que realmente se encontra por detrás ou passando por um simples logotipo que tenta veicular uma mensagem positiva de confiança, muito mais do que um julgamento superficial negativista cabe-nos a nos procurar estar informados, documentados para que dessa forma tenhamos uma consciencia real  dos desafios morais que enfrentamos sobre a enfluencia das vontades do que querer e do ser!

pode fazer uma pequena experiência em seu fav0r baixando o seguinte programa veja primeiro as instruções:

ADORAÇÃO . COM . BR. Disponível em:
<http://www.adoracao.com.br/php/artigos/view.php?codigo=35&secao=13&colunista=10 > acesso 04
de out. 2005.
ALBERIUM SYSTEMS. 2004. Disponível em:
<http://www.aberium.com/firewallaberiumsupervisor/index.htm&gt; acesso 20 de out. 2005.
BAER, Lorenzo. Produção Gráfica. 5ª ed. São Paulo: Editora Senac São Paulo. 2004.
BERLO, David K. O processo da comunicação: introdução à teoria e à prática. 8ª ed. São Paulo:
Martins Fontes. 1997.
BERLO, David Kenneth. O processo da comunicação: introdução à teoria e à pratica. trad. Jorge
Arnaldo Fontes. revisão da tradução Irami B. Silva. 9ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.
BORDENAVE, Juan Diaz. Além dos Meios e Mensagens: introdução à comunicação como processo,
tecnologia, sistema e ciência. 9ª ed. Petrópolis: Editora Vozes, 2001.
BRAGHIROLLI, Elaine Maria, BISI, Guy Paulo, RIZZON, Luis Antônio. E NICOLETTO, Ugo.
Psicologia Geral. 9ª ed. Porto Alegre: Editora Vozes, 1990.
CALAZANS, Flávio. Propaganda Subliminar Multimídia. 5ª ed. São Paulo: Summuns, 1992.
CESAR, Newton. Direção de arte em propaganda. São Paulo: Futura, 2000.
COSTA, Leonardo Araújo da (Buggy): depoimento (ag.2005). Entrevistadora Ute Ana de Farias
Batista Lira. Recife: ESM, 2005. 1 cd (25min).
DAVIDOFF, Linda L. Introdução à Psicologia. trad. Lenke Perez. revisão téc. José Fernando
Bittencourt Lômaco. 3ª ed. São Paulo: Makron Books, 20001.
DEARLOVE, Dês. e CRAINER, Stuart. O Livro Definitivo das Marcas. trad. Maria Lucia G. L. Rosa.
revisão técnica Arão Sapiro. São Paulo: Makron Books, 2000.
DIMBLEBY, Richard e BURTON, Graeme. Mais que palavras: uma introdução à teoria da
comunicação. São Paulo: Summuns, 1990.
EMERENCIANO, Kátia Virgínia: depoimento (ag.2005). Entrevistadora Ute Ana de Farias Batista
Lira. Recife: ESM, 2005. 1 cd (21min).
FARINA, Modesto. Psicodinâmica das cores. 4ª ed. São Paulo: Edgard Blücher Ltda, 1990.
FERRÉS, Joan. Televisão subliminar. trad. Ernani Rosa e Beatriz A. Neves. Televisão Subliminar.
Porto Alegre: Artmed, 1998.
MENSAGENS SUBLIMINARES. Disponível em: http://www.mensagens-subliminares.kit.net/ acesso
03 de out. 2005.
MUNSELL Albert H. In: BAER, Lorenzo. Produção Gráfica. 5ª ed. São Paulo: Editora Senac São
Paulo. 2004.
NUNES, Luiz Antonio Rizzatto. Manual da monografia: como se faz uma monografia, uma
dissertação, uma tese. São Paulo: Saraiva, 2000.
PARINTINS.COM. 2005. Disponível em: <http://www.parintins.com./docs/parintins/index.php&gt;
acesso 19 de out. 2005.
PEDROSA, Israel. O Universo da Cor. Rio de Janeiro: Senac Nacional, 2003.
PINHO, José Benedito. O poder das Marcas. São Paulo: 1996.
PINTO, Afonso Vaz. As cores que dão vida às marcas. Marketing & Marcas. Diário Econômico. Nº
3732. Lisboa: 07 out 2005.
5 A pesquisadora Ute Ana fará sua monografia sobre A fidelização do marketing através das cores no curso de especialização
em Marketing e Publicidade, na Escola Superior de Marketing, no Recife.
15
RIES, Al. e RIES, Laura. As 22 Consagradas Leis de Marcas. trad. Ernesto Yoshida. revisão técnica
Equipe Makron Books. São Paulo: Makron Books, 2000.
RIQUE, Ana Lúcia: depoimento (ag.2005). Entrevistadora Ute Ana de Farias Batista Lira. Recife:
ESM, 2005. 1 cd (32min).
SHIMP, Terence A. Propaganda e Promoção: aspectos complementares da comunicação integrada de
marketing. trad. Luciana de Oliveira Rocha. revisão técnica Salomão Alencar de Farias. 5ª ed. Porto
Alegre: Bookman, 2002.
SOUZA, Rosangela Vieira de: depoimento (ag.2005). Entrevistadora Ute Ana de Farias Batista Lira.
Recife: ESM, 2005. 1 cd (23min).
VAZ, Afonso Pinho. As cores que dão vida às marcas. Marketing e Marcas.. Portugal, 07 de out. 2005.
Diário Económico. p. 41.
WIKIPEDIA A ENCICLOPÉDIA LIVRE. 2005. Disponível em:
<http://pt.wikipedia.org/wiki/Teoria_das_cores&gt; acesso 17 de set. 2005.
UNSELL Albert H. In: BAER, Lorenzo. Produção Gráfica. 5ª ed. São Paulo: Editora Senac São Paulo.
2004.
16

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s